(14) 3523-9659 |
COMPROMISSO DE VERDADE
21 de dezembro de 2017

Soja, o grão da prosperidade brasileira

A soja merece ser chamada de grão da prosperidade no Brasil. Em muitos locais onde é cultivada intensivamente brotam edificantes histórias de sucesso, seja no âmbito individual, da família, do município ou do Estado.

Por: Amélio Dall’Agnol, pesquisador da Embrapa Soja

A soja merece ser chamada de grão da prosperidade no Brasil. Em muitos locais onde é cultivada intensivamente brotam edificantes histórias de sucesso, seja no âmbito individual, da família, do município ou do Estado. As cidades onde a soja tem sido amplamente cultivada experimentaram um crescimento mais robusto que as demais e tiveram seu índice de desenvolvimento humano (IDH) aumentado acima da média nacional. O mesmo aconteceu com os Estados grandes produtores do grão.
O Brasil começou tímido na produção de soja nos anos 40 e chegou às primeiras 100 mil toneladas em meados dos anos 50. O primeiro milhão de toneladas (Mt) foi alcançado em 1969 e em 1979 produziu 15 Mt, assumindo desde então a liderança do agronegócio nacional, em valor bruto da produção. No final da década de 1990, a produção de soja superou a do milho e assumiu, também, a liderança no volume de grãos produzidos.

Até início dos anos 80, a produção de soja concentrava-se na região sul, onde as áreas de lavoura disponíveis já haviam sido ocupadas pela oleaginosa no correr da década anterior e as áreas cobertas com gramíneas de baixo rendimento do bioma Pampa, começavam a ser exploradas para o cultivo da oleaginosa. A cultura da soja mostrava-se rentável para justificar sua expansão para novas áreas de cultivo. Este fato fez com que o espírito empreendedor de uma leva de bons produtores proprietários de áreas limitadas, principalmente sulistas, olhassem para o Cerrado como uma opção para a expansão de suas atividades agrícolas.

Muitos agricultores no sul, pela necessidade ou pela oportunidade de ampliar a área de cultivo da oleaginosa venderam suas propriedades aproveitando o preço de oportunidade e migraram para o desconhecido bioma Cerrado, onde havia muita terra disponível e barata, mas ácida e infértil. Compraram ou arrendaram grandes glebas de Cerrado onde começou a saga que levou muitos deles ao status atual de grandes e bem sucedidos produtores de soja, milho e algodão. Graças à tenacidade e dinamismo desses pioneiros o Cerrado deslanchou, não sem o importante apoio dos pesquisadores brasileiros que tiveram êxito no desenvolvimento e na oferta de um conjunto de tecnologias que permitiram a domesticação desse bioma: correção e fertilização do solo e desenvolvimento de cultivares adaptadas à produção em regiões tropicais de baixa latitude.

Atualmente, o Cerrado concentra a maior produção de soja, algodão e milho do Brasil e parte das suas terras deixaram de ser baratas e despovoadas, concentrando os mais bem sucedidos agricultores do Brasil. Graças à determinação e dinamismo desses empreendedores, cidades brotaram no meio do nada, algumas já ostentando a posição de verdadeiras metrópoles, como Rondonópolis, Sorriso, Luiz Eduardo Magalhães e Sinop, entre outras. Hoje, no Cerrado, as áreas de preservação ambiental convivem com campos férteis de produção de soja, milho e algodão. O Cerrado tornou-se o principal celeiro do Brasil.

A soja é um dos principais alimentos da população humana, consumido como grão, farelo ou óleo. Dificilmente algum cidadão deste planeta poderá afirmar que não consome soja, a menos que desconheça a origem da matéria prima que produziu o ovo, o queijo e a carne que consome, gerados a partir do farelo de soja que a vaca, o porco e a galinha consumiram.

A soja é o grão cuja demanda mais cresce no mundo. De 1990 a 2017, as demandas por soja, milho, arroz e trigo cresceram 207%, 108%, 46% e 36%, respectivamente (vide gráfico). A demanda global pela soja tem crescido, principalmente, por causa do elevado consumo de carnes, como consequência do explosivo crescimento da economia mundial a partir dos anos 80 e o consequente aumento da renda per capita das pessoas, as quais reduziram o consumo de grãos para incrementar o consumo de proteína animal (carnes, lácteos e ovos, entre outros).

O Brasil já transitou pela revolução econômica representada pela exploração do Pau Brasil, seguido da Cana de Açúcar, do Cacau, da Borracha e do Café, todos cultivos cuja produção e competição pelo mercado mundial envolve nações pobres. Agora, estamos transitando pelo ciclo da soja, cujo principal concorrente é os Estados Unidos, a nação mais eficiente na produção de commodities agrícolas. O nosso desempenho é comparável ao de nações desenvolvidas.  Soja é sinônimo de prosperidade. Gera cerca de US$ 30 bilhões anuais em exportações, liderando a pauta dos produtos que o Brasil vende ao exterior.

 

Autor: Redação
Referência: Fonte: Canal Rural / Embrapa Soja

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

ASSINE NOSSA NEWSLETTER E FIQUE POR DENTRO DE TUDO O QUE ACONTECE NA REGIÃO.

QUEM SOMOS

Iniciamos as atividades do Jornal de Lins no ano de 2013, inicialmente com versão impressa. Estamos agora em versão online. Buscamos a construção de um veículo de comunicação que tenha Compromisso de Verdade com o leitor e a veracidade da notícia. Estamos construindo um Portal de Notícias e Informações ágil, moderno e repleto de conteúdo para prestar o melhor serviço ao leitor. Um veículo que mostre nossa gente e nossas realizações ao mundo, e traga o mundo até nossa terra.

FALE CONOSCO

Jornal de Lins

JORNAL DE LINS ©2018 | Todos os direitos reservados.