(14) 3523-9659 |
COMPROMISSO DE VERDADE
24 de novembro de 2017

A importância das EMEIS para a educação infantil

Quando refletimos a respeito das ações do coordenador pedagógico da educação infantil, estamos colocando em foco um elo da práxis do pedagogo.

O coordenador pedagógico desempenha papel fundamental no processo da gestão democrática escolar da educação infantil. Contudo, fica evidente que este papel lhe imprime alguns desafios que devem ser em suma observados em sua prática. Dentro do princípio da gestão democrática, cabe ao coordenador pedagógico não ser chefe nem autoridade, mas um líder articulador, que harmoniza as relações entre escola, aluno, professor, diretor, comunidade, pais e demais envolvidos, prezando sempre pela proposta pedagógica decidida pela equipe e pela qualificação do processo ensino/aprendizagem. Este trabalho tem como objetivo principal fazer uma reflexão sobre os desafios do coordenador pedagógico diante da temática da gestão democrática. E por outro lado mostrar a importância de quebrar paradigmas sobre a prática desse profissional que foi estigmatizado historicamente pelo conservadorismo do ensino tradicional. O coordenador era visto como um detentor das decisões e do gerenciamento do processo pedagógico na escola, assim o que se propõe aqui é mostrar que no mundo de constantes transformações não cabe mais uma gestão sem a participação de todos os envolvidos no processo de ensino e aprendizagem, onde deve haver uma integração entre professores, alunos, pais e comunidade, valorizando as trocas de experiências e propondo uma gestão participativa e completamente democrática. Para que, de fato, possam-se atingir os objetivos propostos, preza – se neste trabalho por uma metodologia cuja ação principal seja a reflexão da práxis pessoal de coordenador pedagógico e dos desafios que estão postos pela gestão democrática.

INTRODUÇÃO

A nossa liberdade tem sempre a maravilhosa capacidade de fazer, daquilo que nos é tirado (pela vida, pelos acontecimentos, pelos outros…), algo que oferecemos. Exteriormente não se vê a diferença, mas interiormente tudo é transfigurado: o destino passa a ser uma opção livre, a obrigação passa a ser amor, a perda torna-se fecundidade.

(Jacques Philippe)

No desenrolar dos estudos deste efetuados pode-se perceber que a coordenação pedagógica na escola tem como função principal à assessoria permanente e continuada ao trabalho docente, cujas principais atribuições, dentre outras, podem ser listadas em quatro dimensões que delineiam o papel deste profissional frente a educação do presente século. Podemos verificar estes importantes dimensões nos argumentos de Piletti (1998.p.126)

Porém, o que se percebe no dia a dia do coordenador pedagógico da educação infantil é que muitos profissionais desconhecem as funções que de fato lhes são atribuídas. Este texto nos permite lançar olhares sobre a identidade e função do coordenador pedagógico na escola. Em meio a um processo de leitura e busca permanente de conhecimento, se tem percebido a importância e a eficácia do trabalho do coordenador pedagógico, desde que este tenha bem definido sua identidade enquanto profissional. Pois quando nos permitimos lançar o olhar a práxis do coordenado vemos o quanto a mesma tem sido paradoxal.

Várias metáforas são construídas sintetizando o seu papel e função na escola com distintas rotulações ou imagens, dentre elas, a de “Bombril” (mil e uma utilidades), a de “bombeiro” (o responsável por apagar os focos dos conflitos docentes e discentes), a de “salvador da escola” (o profissional que tem de responder pelo desempenho de professores na prática cotidiana e do aproveitamento dos alunos).

Há momentos que o próprio coordenador encarna este papel, diante das cobranças e tarefas que lhe são impostas. Assim, por não ter claro o seu papel ou mesmo tendo claro, mas abrindo mão dele por conta das demais tarefas que lhes são atribuídas no interior da escola, acompanha o ritmo ditado pelas metáforas e ideias presentes. Epistemologicamente essa falta de clareza dificulta e afasta o profissional de seu referencial atributivo criando imagens errôneas de sua práxis conforme as ideias existentes no interior da escola, que não as nega, mas por meio de um trabalho intencional, planejado e contextualizado, orienta-as pela conscientização de suas atribuições e de seu papel referencial de coordenador de ações.

Este afastamento instabiliza o profissional, a tal ponto que, segundo Bartman (1998.p.21):

Desta forma ao coordenador pedagógico da educação infantil é solicitada a realização de qualquer tipo de atividade cujo responsável está impossibilitado de desenvolvê-la por sobrecarga, indisponibilidade ou pela ausência desse profissional na escola, assim, ele se torna um multifuncional como já citamos. Fica sob sua responsabilidade realizar trabalhos burocráticos e de secretaria, substituir professores, aplicar provas para aliviar sobrecarga de horário, resolver problemas com pais e alunos.

Mas Fonseca (2001.p43), é que sistematiza estas setas epistemológicas e evidencia a necessidade de um novo olhar do coordenador pedagógico na escola que deve ser orientado para:

Este olhar que nos é apresentado se faz necessário como busca e construção da identidade da identidade, não é objeto outorgado somente por normalização institucional, mas certamente é um espaço de conquista, é um espaço de resolução de conflitos e de assunção do papel profissional do coordenador pedagógico como ator social, agente facilitador e problematizador do papel docente no âmbito da formação continuada, primando pelas intervenções e encaminhamentos mais viáveis ao processo ensino-aprendizagem.

A este respeito Lima (2007.p.46) enfatiza:

O que mais fica evidente neste debate a que nos propomos aqui, é que coordenação pedagógica da educação infantil em seu sentido mais restrito, não está caracterizada como centralizadora ou definidora da relação intra-escolar, alienando-se das questões contextuais que inquietam professores, alunos e comunidade; muito pelo contrário, garante o espaço do diálogo como método.

 

 

 

 

 

 

 

 

Autor: Marcos Ferreira Andrade
Referência: Brasil Escola

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

ASSINE NOSSA NEWSLETTER E FIQUE POR DENTRO DE TUDO O QUE ACONTECE NA REGIÃO.

QUEM SOMOS

Iniciamos as atividades do Jornal de Lins no ano de 2013, inicialmente com versão impressa. Estamos agora em versão online. Buscamos a construção de um veículo de comunicação que tenha Compromisso de Verdade com o leitor e a veracidade da notícia. Estamos construindo um Portal de Notícias e Informações ágil, moderno e repleto de conteúdo para prestar o melhor serviço ao leitor. Um veículo que mostre nossa gente e nossas realizações ao mundo, e traga o mundo até nossa terra.

FALE CONOSCO

Jornal de Lins

JORNAL DE LINS ©2018 | Todos os direitos reservados.