(14) 3523-9659 |
COMPROMISSO DE VERDADE
5 de dezembro de 2017

“A depressão é como um navio com velas negras, que quando aparece faz com que o mundo fique em silêncio.” Cap. Leonardo Galvão

Faz algum tempo que uma reportagem de uma emissora de televisão me levou a escrever este artigo sobre a depressão. Tema a qual escrevo neste artigo.

Por:

Franco Barni –  Jornalista a 22 anos formado pela Universidade São Judas Tadeu de São Paulo.

Caros amigos e inimigos leitores,

Faz algum tempo que uma reportagem de uma emissora de televisão me levou a escrever este artigo sobre a depressão. Tema a qual escrevo neste artigo.

A Depressão segundo algumas informações de um médico a qual eu conversei, há alguns médicos que não a consideram doença e outros sim. Mas, independentemente do consenso quanto a ser considerada uma enfermidade pelos profissionais da saúde, eu particularmente a considero uma doença como qualquer outra e vou mais longe, para mim é o mal do século junto com várias outras doenças graves.

Apesar de nos últimos anos do século XX, início do século XXI o preconceito ter diminuído em relação a depressão, as pessoas que a tem, ainda sofrem com a indiferença das pessoas que pensam e acham que é “frescura”, falta de vontade de trabalhar, de estudar, e por aí vai. Em resumo, não levam este mal a sério quando deveriam levar. Depressão no sentido literal da palavra pode levar a morte!

Mas, o que pode causar esta doença? São inúmeros fatores. Um deles é hormonal, tendo a queda da Serotonina. Outras causas são externas, como a perda do emprego, sofrimento em silêncio por perder um grande amor, ou amar e não ser correspondido, frustrações profissionais, problemas financeiros e familiares, problemas de doença na família, morte de algum ente querido.

Em resumo, há uma série de variáveis que levam à depressão e são inúmeros problemas. Soube de diversas pessoas que no pós II Guerra, além de outras que aconteceram depois como a da Coréia, Vietnâ entre outras que levaram milhares de soldados e civis a depressão e que por causa dela, cometeram suicídio, pois a doença não foi diagnosticada e muito menos tratada.

Atualmente, com muito mais recursos, é mais fácil diagnosticar e tratar a depressão.  Em muitos casos, há necessidade de se tomar remédios apropriados, obviamente que há o período de adaptação a medicação e sua dosagem e, muitas vezes é preciso até mudá-la, claro que depende de cada paciente e de cada caso, e o remédio não faz milagre, é preciso fazer terapia e quanto ao tempo de uso da medicação e da terapia vai depende da pessoa e do grau de depressão que ela tem e do diagnóstico dado pelo médico. Para saber mais sobre a Depressão, clique aqui!

Os sintomas mais frequentes que são perceptíveis até pelos leigos como eu, são: tristeza profunda, falta de estimulo para viver, pouca vontade de sair de casa, não encontra satisfação em coisa alguma que faz, nada alegra a pessoa, entre outros.

Uma coisa que descobri é que não adianta forçar a pessoa que provavelmente se encaixa num quadro provável de depressão a buscar ajuda, a vontade deve partir principalmente dela mas, a família deve de maneira tranquila e sem imposições buscar convencer a pessoa a buscar ajuda profissional e diagnosticar se realmente se confirma o quadro de depressão.

Soube de vários casos e de pacientes que perderam seus empregos por causa da doença pois nem sair da cama conseguiam, enquanto muitos acham que é frescura, manha, dizem que tem tudo e que não tem motivo para ter depressão entre várias outras coisas que são ditas.

Caros leitores, eu costumo como dizem por ai “pisar em ovos” quando o assunto é depressão. Muitos que passam por isso ou tem algum familiar que está tratando a depressão sabe que não é nada fácil. É verdade que a família deve apoiar e dar suporte a pessoa que tem depressão mas, também, o portador da depressão deve se ajudar por mais difícil que seja.

Fácil é julgar, condenar quem tem, não podemos dizer coisas do tipo “a pessoa tem tudo, ela não tem motivos para a depressão”! Eu rebato dizendo, o que nós sabemos da vida da pessoa para afirmar isso com tanta certeza e quem disse que bens materiais é motivo para não ter depressão? É preciso ter cuidado ao fazer esta afirmação.

O caminho para sair da depressão, é a busca do diagnóstico. Confirmado o quadro de depressão, a pessoa deve aceitar e aceitar a ajuda de um profissional especialista no assunto.

O apoio da família é muito importante durante todo o período de tratamento que pode levar meses ou anos, dependendo de cada caso.  De acordo com informações de uma psicóloga, especialista em depressão, Existem dois tipos de depressão: A depressão leve que é tratada apenas com a terapia com o especialista de confiança da pessoa. O outro tipo de depressão é a severa: A depressão severa é tratada com a terapia e a medicação indicada pelo médico especialista no assunto.

Este artigo tem a intenção de ser um alerta para informar que a Depressão é muito mais séria do que pensamos e imaginamos. Temos que buscar de alguma forma, o fim do preconceito em relação a depressão e levar esta doença mais a sério.

Conheça o blog que a quatro anos vem conquistando o Brasil e o mundo.

http://opiniaodofrancobarni.blogspot.com.br

 

 

Autor: Franco Barni
Referência: O autor

COMENTÁRIOS

  • Gostei mto do que li.
    Realmente é tudo isso é mais um .
    pouco.
    Temos q estender a mão para as pessoas que sofrem deste mal.
    É uma doença grave.


Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

ASSINE NOSSA NEWSLETTER E FIQUE POR DENTRO DE TUDO O QUE ACONTECE NA REGIÃO.

QUEM SOMOS

Iniciamos as atividades do Jornal de Lins no ano de 2013, inicialmente com versão impressa. Estamos agora em versão online. Buscamos a construção de um veículo de comunicação que tenha Compromisso de Verdade com o leitor e a veracidade da notícia. Estamos construindo um Portal de Notícias e Informações ágil, moderno e repleto de conteúdo para prestar o melhor serviço ao leitor. Um veículo que mostre nossa gente e nossas realizações ao mundo, e traga o mundo até nossa terra.

FALE CONOSCO

Jornal de Lins

JORNAL DE LINS ©2017 | Todos os direitos reservados.